FerreoDicas

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

O Trem, Esse Coadjuvante Exibido

E-mail Imprimir PDF

Quando construímos uma maquete ferroviária, procuramos reproduzir uma realidade, um contexto do qual o trem faz parte. Mesmo assim, construímos maquetes em que parece que falta algo. O trem está ali, ali estão os pátios, os vagões, as estações, mas algo ainda não encaixa. Se você tem essa sensação, eu tenho ela também e acredito que a maioria tenha ao menos inconscientemente, pode ser que as respostas surjam parcialmente nesta discussão.

Foto 1 - trem passando atrás de uma casa.

Contexto Ferroviário

Uma ferrovia não é apenas uma linha aonde circulam os trens. Elas tem um objetivo claro e simples: ter lucros transportando pessoas e cargas de um ponto a outro. Nenhuma ferrovia existe pelo simples fato de existir e ninguém constrói uma por caridade (apesar de algumas pessoas acreditarem nisso). Nesse contexto, temos cinco elementos a considerar. O primeiro são as cidades servidas pela ferrovia, nem que sejam estas cidades vilarejos que surgiram devido a cruzamentos ferroviários. O segundo são as indústrias servidas pela ferrovia para gerar o transporte de carga. O terceiro ponto são os pátios aonde os vagões são estacionados para serem selecionados e levados às indústrias ou terem composições formadas. O quarto ponto são as estações para passageiros, se estas existirem (na realidade ferroviária nacional atual elas podem até ser deixadas de lado, não que isso seja bom). Finalmente, o quinto e último ponto é a linha que liga uma cidade a outra.

Não foi acidentalmente que o quinto elemento, o último, foi a linha ligando uma cidade a outra, normalmente o primeiro ponto que muitos pensam na hora de planejar uma maquete. A linha dos sonhos, com rampas, pontes, túneis, serpenteando morros, cruzando sobre ela mesmo. Aí normalmente começa o erro, que se propaga até o final: falta espaço para todo o resto.

Traçado vs Cenário

Para se atingir os 5 elementos citados numa maquete usamos esses dois meios, o traçado da ferrovia, que inclui parcialmente os objetivos 1, 2 e 4; e na íntegra os objetivos 3 e 5. O cenário é responsável pela outra parte dos objetivos 1, 2 e 4. Porém esses meios de realizar a maquete são conflitantes, cenário ocupa espaço em que poderia haver linha e vice-versa.

Nesse momento deve-se fazer algumas observações simples. Se na sua cidade existe ferrovia, o que você pode ver mais nela, os trens ou a cidade? À exceção de vilarejos que surgiram em cruzamentos ferroviários (tome nota), se vê mais a cidade do que trem, que acaba sendo um detalhe, à exceção dos pátios de seleção, aonde o trem é predominante, mas com a cidade como cenário de fundo. Fora das cidades, as ferrovias são construídas evitando ao máximo obras de arte como pontes, túneis, rampas íngremes e outros, por mais que esses elementos sejam "desejados" pelos modelistas. A exceção de raros trechos, ferrovias são monótonas perto da visão ideal de um modelista.

O objetivo maior é encontrar um equilíbrio entre todos esses elementos para recriar a realidade ferroviária. A regra de ouro é evitar a ferrovilândia, aonde a linha exagerada predomina na maquete sem deixar espaço para o cenário, ou quando deixa, dá um ar artificial à maquete. Dessa maneira, o último elemento a se preocupar na maquete é a linha que liga as cidades, sob a pena de não se ligar nada a prioridade for a linha. Isso deve ser feito porque para ter aquela serra em que a linha sobe um morro, passa por cima dela mesmo entre outros requer muito espaço, o que normalmente é limitado para a grande maioria dos modelistas.

Definir o espaço a ser utilizado é primordial para não ter que fazer ajustes "durante a construção", que sempre trazem resultados catastróficos. Depois definir a área destinada à cidade, estação (uma linha de cruzamento ao menos), pátio de classificação e indústria (que podem estar juntos e serem reduzidos a uma linha de cruzamento e um desvio morto, mas devem existir). Por último definir o oval no espaço restante, ou, caso o espaço e escala permitam, o ponto a ponto entre duas cidades.

Reforçando o fato de que uma maquete realista não depende de linhas mirabolantes, façamos uma análise da Foto 1. Esta "Cena Bucólica" poderia ser feita tranqüilamente numa maquete oval, como o Hobby Trilho da Frateschi, tirando a foto do centro da maquete para as bordas e usando um cenário de fundo, que pode ser comprado em lojas especializadas. O trecho é uma reta simples que passa atrás de um grupo de casas, mas o efeito visual obtido é excepcional, sem nenhuma complexidade no traçado, malabarismos e outros. Um traçado simples pode resultar numa maquete bastante interessante.

Dando Vida à Maquete

São os pequenos detalhes que fazem uma maquete interessante, como mostra a Foto 2. A cena não ocupa um espaço exagerado e confere um aspecto realista a um espaço diante de uma indústria combinada com pátio de manobras. A maquete não é apenas o trem, é a combinação de todos elementos que fazem parte da realidade ferroviária. O resultado fica comprometido se a realidade ferroviária não for reproduzida adequadamente, sem exageros ou omissões para privilegiar aquela rampa fantástica feita única e exclusivamente para o trem subir e depois descer.

Foto 2 - ponto de táxi.

Indústrias

Um simples desvio morto com capacidade para um ou dois vagões pode virar o pátio de uma indústria na maquete. O primeiro passo é escolher um tipo de indústria e observar prédios de indústrias semelhantes. A partir disto, escolher um kit pronto (Walthers, Model Power e outros) ou modificar alguns kits prontos e obter a sua indústria. Um entreposto de distribuição de combustível pode ser construído com 3 tanques rebaixados do depósito de óleo diesel Frateschi, com um sobrado modificado para prédio de administração e um estacionamento para caminhões tanque. Cercar a área torna a indústria plausível. Opções não faltam, principalmente com pequenos fabricantes nacionais que oferecem indústrias prontas, como pequenos terminais de cargas, depósitos de cimentos e grãos entre outros. Esse passo é importante porque nenhuma ferrovia é construída pelo simples fato de se levar vagões de um lado para o outro.

Direções a Seguir

Dificilmente um artigo conseguirá detalhar ou descrever todos os detalhes, mas certamente pode dar direções do que deve ser feito que se aliados a experiências anteriores, visitas a maquetes de clubes, páginas de internet, leituras de livros e revistas especializadas, como a Model Railroader, ou a Trens & Modelismo, entre outros. O mais importante é não temer errar e começar pequeno, experimentar as técnicas e observar o conjunto final. Afinal, ferreomodelismo não limita-se apenas a colecionar modelos. E melhor uma maquete pequena e bem detalhada do que uma maquete grande, "ideal", mas que nunca sai do papel por "falta de espaço".

Compartilhe este Artigo

Submit O Trem, Esse Coadjuvante Exibido in Delicious Submit O Trem, Esse Coadjuvante Exibido in Digg Submit O Trem, Esse Coadjuvante Exibido in FaceBook Submit O Trem, Esse Coadjuvante Exibido in Google Bookmarks Submit O Trem, Esse Coadjuvante Exibido in Stumbleupon Submit O Trem, Esse Coadjuvante Exibido in Technorati Submit O Trem, Esse Coadjuvante Exibido in Twitter
 
Última atualização em Sex, 14 de Janeiro de 2011 15:31  

Comentários  

 
0 # Coadjuvante ExigidoMARSUSHEI FERREIRA 12-01-2011 07:41
Sou também amante desse hobby, estou elaborando um bo_
tim informativo - (BIA), sou filiado AFERJ Associação de Fer-
reomodelismo do Rio de Janeiro. Esse artigo Coadjvante, é interessante. Solicito permissão de copia-lo e divulga-lo.
Muitos de nossos associados não tem Internet e são ávidos
por assuntos dessa referêcia (maquete). Atenciosamente,
MARSUSHEI.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
0 # Com Certeza!Paulo V. W. Radtke 13-01-2011 21:05
Pode sim, na barra lateral esquerda tem o licenciamento dos artigos em Creative Commons BY-SA-NC: desde que você não cobre nada por isso (direta ou indiretamente), você pode reproduzir, repassar o artigo ou mesmo usá-lo como base para outro desde que você cite a fonte original (autor e site de publicação).
Para divulgá-lo na AFERJ, é só colocar o nome completo do autor e o endereço em que o artigo foi publicado aqui no FerreoDicas.com.
Outra coisa, se vocês quiserem divulgar a AFERJ aqui no FerreoDicas.com, entrem em contato conosco no formulário padrão de contato (barra lateral a esquerda), ficaremos contente em divulgar o seu trabalho e a maquete da associação.
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
0 # Faltou um detalhePaulo V. W. Radtke 13-01-2011 22:05
Ah, faltou uma coisa: a licença creative commons exige que a republicação ou modificação leve a mesma licença. É só colocar aquela figura ali e tá bom :).
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
0 # Muito bom!Michel 13-01-2011 19:08
Gostei muito do artigo. Bate exatamente com o que eu penso. Tem como colocar o link ou fazer alguma coisa para que o pesoal do "Cartel Caipira" possa ler tb?
Parabens !!
Abç
Responder | Responder com citação | Citar
 
 
0 # Pode simPaulo V. W. Radtke 13-01-2011 21:07
Oi Michel, pode linkar a página a vontade, temos botões para gerar PDF, enviar o artigo por e-mail, compartilhar em redes sociais, etc. A única coisa que pedimos é que você mantenha sempre o nome do autor e o endereço de publicação aqui no FerreoDicas.com. Veja a dúvida anterior, a nossa licença de conteúdo permite uso não comercial de todo o site, desde que você deixe claro quem é o autor e a fonte de origem aqui no FerreoDicas.com.
Responder | Responder com citação | Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar